sexta-feira, 4 de março de 2011

Os outdoors do autoconhecimento

O que eu faço quando me incomodo com o comportamento alheio? Condeno. Acabei de ler um texto que respondeu de maneira excelente a essa pergunta. O que é a condenação senão um ataque contra si mesmo?

Já sabemos que somos nossos maiores inimigos, dessa forma, quando atacamos o outro, quando o condenamos, não estamos fazendo mais do que acrescentar traves aos nossos olhos. Traves que vão nos impedindo progressivamente de enxergar nossas próprias falhas, exercício para o qual não há ninguém mais qualificado do que nós mesmos (cada um cuidando das suas, obviamente).



Enxergar a sua própria falha é, pois, um exercício eminentemente individual. Não há aquele que aponte um "erro", pois, ao apontar, está se referindo a si mesmo, mesmo que não perceba. O mais difícil é enxergar algo com que não concordamos (erro é uma concepção limitada, um dualismo) e ficarmos quietos, conscientes de que aquilo não nos afeta.

Pensemos. Condenar, apontar "erros" não afeta a mais ninguém além daquele que aponta. Ficamos nervosos, alterados, pois estamos preocupados com o que o outro está fazendo. E o outro não precisa nem saber que existimos para que tal situação se promova. Muitas vezes, aquele que teve a audácia de "errar" na nossa frente segue feliz, sem fazer a menor ideia de que estamos em guerra por dentro. (Para uma próxima reflexão: apontar "erros" não soa extremamente pretensioso?)

Louvar as falhas alheias (ou mesmo as próprias)? Não é necessário, assim como não nos cabe condená-las. Não nos cabe nem mesmo condenar nossas próprias falhas, pois condenar é algo que não opera nenhuma mudança. Cabe sim, a cada um, conhecer e consertar suas próprias falhas. E ninguém tem nada com isso. Vocês já viram alguém anunciar suas falhas em um outdoor? Então não precisamos também fazer propaganda dos nossos progressos. Não se recebe um parabéns por ter feito o que era apenas sua obrigação.


Referência:
A Arte de Não Condenar os Outros
Identificando e Vencendo o Egoísmo Sutil

Nenhum comentário: