quarta-feira, 21 de julho de 2010

London is to be walked

Hoje no trabalho uma colega profetizava... "se você tiver que vir para cá definitivamente, você virá. Em outra época, quando você estiver preparada, você irá para qualquer outro lugar. Você faz a sua parte, mas Deus é quem sabe qual será o seu destino". Sempre questiono a utilidade de fazer planos...

De qualquer forma, saí do trabalho com o objetivo de voltar à Tomcat para buscar o sapato que eu havia reservado. Comecei a subir a Oxford Street e andei quase 1 km até descobrir que estava indo na direção errada. Não existe um tempo perdido quando se tem trinta dias. Tirei fotos do Marble Arch e resolvi ir ao museu do Sherlock Holmes, em 221b Baker Street.

No caminho, topei com uma loja só de jogos, Chess & Bridge, na 44 da Baker Street. O dono estava fechando a loja, mas tive tempo de dar uma olhadinha e encontrei um quebra-cabeça de 1000 peças de "Onde está Wally?" por apenas £10.

Continuei meu caminho para a "casa" do Sherlock, mas quando cheguei lá a mocinha vestida a caráter estava fechando o lugar. Muitas coisas fecham em horários normais, apesar de anoitecer só la para as 22h. Lá perto também encontrei The Beatles Store, que é bem pequena, apertada, esquisita até, e repleta de souvenirs dos Beatles.

Saí de lá e liguei para o dono da Tomcat, "fechamos às 19h", "tô passando aí". Então fiz o caminho de volta até a estação de metrô de Baker Street. Tinha duas opções: a linha Jubilee ou a Bakerloo. Por alguma razão alheia à minha mera vontade, peguei a Bakerloo, que estava dez vezes mais cheia que a Jubilee.

E lá no trem lotado, a dois ou três passos cheios de pessoas, estava a razão. Os olhos mais bonitos que eu já vi em toda a minha vida. Os londrinos podem ser estranhos às vezes, se vestir mal, não ter nada de interessante, mas devo declarar que têm olhos bonitos. Esses olhos em particular estão agora no topo do meu Top Five Beautiful Eyes.

Olhos puxados, mas não no estilo japonês, e sim do jeito que os olhos ficam quando a gente puxa um pouco a pele do rosto para cima, só que nesse caso totalmente natural. E ao mesmo tempo, olhos grandes e brilhantes, azuis claros com uma pupila bem pretinha. E os olhos não eram a única coisa interessante, como acontece na maioria dos casos que eu tenho observado. Andar de metrô aqui é uma experiência.

Desci na Covent Garden Station, que acreditam ser assombrada pelo fantasma do ator William Terris, que morreu ali perto. Tube or False, algumas estações de metrô daqui são extremamente estranhas e assustadoras (a Notting Hill Gate é uma das mais bonitas). A maioria das que eu "visitei" é normal e ampla, mas algumas possuem corredores muito estreitos, sujos, feios mesmo. E a Covent Garden tem um bônus: uma escada em espiral com 193 degraus. Claro, tem três elevadores com 98,8% das pessoas esperando para subir.

Fui pela escada. Parece interminável, você não vê mais do que cinco pessoas descendo ou subindo, isso quase seis da tarde, quando tudo ainda está fervilhando de gente. Acho que no topo devia haver uma medalha esperando pelos vencedores.

Cheguei então esbaforida à Tomcat e comprei dois sapatos e não um só. O dono dessa loja é Persa, alguém já me explicou, mas não lembro bem o que exatamente isso quer dizer. Obviamente isso também quer dizer que ele é um exímio vendedor. Pelo menos consegui uns descontos, agora que eu sou uma feliz Tomcat Costumer.

Antes de sair perguntei onde ficava a estação de metrô mais próxima. Ele desenhou um mapa para mim e me explicou exatamente onde ir. À direita depois à esquerda no sinal e depois toda a vida até a estação. Segui os dois primeiros passos, mas esqueci do sinal. Dessa vez, percebi mais rapidamente que tinha errado o caminho. Quem se importa, andei a esmo procurando algum lugar para tomar um suco. Nota: a água daqui não mata a sede.

Achei então um lugar chamado Silva. Provavelmente era Silva alguma coisa, mas só me lembro agora do Silva. Achei legal encontrar um sobrenome tão familiar e entrei. Os Silvas são italianos e serviram um mixfruit juice para a "bela brasileira". Falamos inglês, italiano e português em menos de 5 minutos. Um dos funcionários deles inclusive era brasileiro. É nóis!

Saí de lá e andei pelas paradas de ônibus, tentando entender qual linha iria para perto de onde eu estou morando. Mais fácil andar sem destino e esbarrar num Underground. Tropecei então na Tottenham Court Road Station e peguei o trem de volta para Southfields.

Planos? Para quê?