domingo, 24 de agosto de 2008

Série Trechos de Músicas - Nº 03

"E o que eu faço enquanto eu perco você?
E o que eu faço enquanto esqueço você?"
[Sammy Daves - Tormenta e Calmaria]


Tava legal sim, mas ah... não tava tão legal. Eu queria ir mais alto, queria ao menos chegar perto daquela sensação tão diferente. Era como se eu pulasse, mas por mais que me esforçasse, não conseguisse alcançar... Você experimenta uma vez e é tão bom, supremo, esplêndido. Por que não é assim depois? Por que parece que é uma corrida sem fim, sempre vislumbrando o êxtase, mas nunca o alcançando. Correndo, correndo, correndo, até cansar e cair.

É como se tudo fosse sempre uma tentativa. Uma atrás da outra, mas sempre uma tentativa. E eu me canso de tentar, de tentar sempre. Sempre que eu me deito à noite, tenho sempre aquela sensação de não ter conseguido.

Relembro os fatos do dia e da noite, de olhos fechados, e penso muito em tudo, a confusão aumenta, os pensamentos se embaralham. Percebo que não me lembro das pessoas, elas são uma grande massa uniforme, sem sentido e sem ideal.

As palavras que eu disse não ecoaram no vazio. E eu me cansei de dizer, de sentir, de olhar, de esperar, de sorrir, de chorar, de acreditar... As coisas não vão acontecer, você não vai conhecer, você não vai gostar, você não vai querer, você não vai tentar, você não vai ficar nem ir embora, você não vai existir.

E à sua volta o mundo tenta girar, mas você já não se sente parte dele, é apenas inércia. Você não sabe mais o que fazer, você não consegue mais fazer. O mundo acontece, você não.

E quem é você, estranho?

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Série Trechos de Músicas - Nº 02

"There's still a little piece of your face I haven't kissed"
[Damien Rice - Cannonball]


A cada dia, quando eu acordo e te observo ao meu lado, percebo que você já é outro, diferente daquele que me abraçou ao deitar. Observo cada detalhe do seu rosto adormecido, antes de te despertar com um beijo e receber seu sorriso de olhos ainda fechados.

Um sábio uma vez disse, à beira de um rio silencioso, que as águas de um rio jamais são as mesmas. No minuto seguinte, o rio já era outro. O sábio também.

Eu percebo, todas as manhãs, que seu sorriso é sempre único, há um para cada dia da vida, um para cada beijo meu. E quando você abre os olhos, meu reflexo neles já não é mais o mesmo.

Nós rimos um para o outro, saboreamos ali juntos, abraçados, os primeiros momentos do dia, e eu sinto que meu amor por você já é outro e que todos os meus eus amam completamente os seus.